FAÇA O SEU CV AGORA

Formação acadêmica no currículo

Saiba como criar um currículo chamativo elaborando a seção educacional corretamente.
criar um curriculo

A seção de Educação ou Formação Acadêmica é uma das primeiras partes de um currículo que os recrutadores e gerentes de contratação costumam examinar. Além disso, muitos anúncios de vagas de emprego contêm informações sobre o tipo de formação ou grau de escolaridade desejável.

Portanto, é essencial ter uma seção dedicada à Educação em seu currículo profissional — seja qual for o seu nível nos estudos.

Neste artigo, vamos abordar quais informações devem constar na seção de Formação Acadêmica e que tipo de cursos você pode mencionar para complementar sua experiência.

Você vai aprender qual a melhor maneira de descrever sua formação educacional, valorizando os pontos positivos e eliminando os excessos.

Experiência profissional ou educação: O que incluir primeiro?

Essa é uma questão complicada de responder. Isso porque, como já foi dito em diversos artigos relacionados ao tema, a estrutura ideal para um currículo pode depender das características do candidato.

Por mais que haja uma estrutura básica, o mais importante é atender às expectativas dos recrutadores. Afinal, eles costumam procurar pelos mesmos parâmetros em todos os currículos para fazer uma comparação justa entre os aspirantes a uma vaga.

E o seu feeling ao ler a descrição das vagas também deve ajudar você a decidir qual a melhor resposta. Como um currículo sempre deve ser adaptado a cada candidatura, a ideia é formatá-lo de acordo com a vaga oferecida.

Por exemplo, se um anúncio destaca que a empresa está em busca de uma pessoa com curso superior em sua área, você pode optar por colocar a sua seção educacional antes da seção de experiência de trabalho — isso irá ressaltar a sua formação em uma universidade de prestígio ou a pós-graduação que você está cursando naquela área.

Porém, se o texto do anúncio der a entender que os gerentes de contratação só irão aceitar currículos de profissionais com o mesmo tipo de graduação que você tem, talvez valha mais a pena iniciar com a seção de experiência profissional e mostrar que você já tem prática nesse campo.

Se você já procurou formatos de currículo online, com certeza já viu diferentes modelos de currículo, onde tanto a educação ou a experiência podem ser os protagonistas.

Pessoas com diferentes perfis educacionais podem se beneficiar dos tipos de currículo com a seção de Formação Acadêmica em primeiro lugar:

Se você acabou de se formar, considere colocar sua seção de educação antes de sua seção de experiência de trabalho. Afinal, é provável que você tenha mais experiência educacional do que experiência de trabalho nessa fase da vida.
Se você vai se candidatar para cargos acadêmicos ou bolsas de estudos, a sua seção de educação terá mais peso do que as eventuais experiências profissionais fora de sua área de estudos. Procure destacar as pesquisas e experiências de ensino, publicações, prêmios de incentivo e quaisquer outros detalhes em sua experiência que se mostrem relevantes para a oportunidade.
Se você é um profissional experiente e quer se diferenciar da concorrência, dar destaque s cursos de especialização, pós graduações e MBAs (Master in Business Administration ou Mestre em Administração de Negócios), pode ser uma ótima estratégia.
Se você é um profissional que voltou a estudar para obter um novo diploma, considere a opção de colocar a seção de educação do CV em primeiro lugar, principalmente se o novo curso for relevante para o trabalho para o qual você está se candidatando.

Para ressaltar o seu nível de educação, coloque a seção de Formação Acadêmica diretamente abaixo de seu Objetivo de carreira ou Resumo de Qualificações. Do contrário, é melhor que a seção de Experiência Profissional ocupe essa posição.

Use estas informações e siga seu feeling, pois tudo depende do que você acredita que os contratantes buscam em um candidato.

Ainda que não haja uma regra específica quanto ao que deve vir primeiro no currículo, é fundamental saber descrever as informações sobre seus estudos de forma adequada.

Continue lendo para ver exemplos das diferentes maneiras de apresentar sua formação educacional em seu currículo, com ótimas dicas para deixar o seu perfil profissional sempre atualizado.

Como listar sua educação no seu currículo

A maioria das pessoas sente uma certa insegurança na hora de preparar um currículo. É normal ter essa sensação diante de um papel ou tela em branco, pensando na melhor forma de apresentar sua trajetória profissional nesse importante documento — mesmo sob as circunstâncias mais simples.

Pode ser um pouco mais desafiador criar estratégias para elaborar a seção de Formação Acadêmica quando não se tem um diploma ou houve alguma mudança de planos que resultou em um curso não concluído.

Muitas pessoas têm dúvidas quanto ao conteúdo sobre educação:

Onde eu coloco o bloco sobre educação no currículo, no topo ou no final do documento?
E quanto à duração dos cursos? Devo mencionar essas datas?
Devo citar os cursos que ainda não foram concluídos?

E ainda há mais perguntas que podem surgir. Afinal, não há regras inflexíveis sobre essa etapa. Mas isso pode se tornar menos complicado com alguns conselhos sobre como administrar melhor este trecho e como listar a educação no currículo.

Então, confira aqui quais os pontos mais importantes na hora de preparar a seção de educação:

A informação essencial para incluir na seção de educação é o seu grau ou nível educacional e em que instituição você o completou. Você também pode incluir o ano em que se formou, embora isso não seja obrigatório
A lista deve conter as qualificações mais recentes e mais relevantes em primeiro lugar, ou seja, iniciar pelo último grau de escolaridade que você possui. Por exemplo, quem não tem nível superior deve começar pelo ensino médio, e assim por diante.
Uma boa forma de organizar esse conteúdo é mencionando título da sua qualificação, onde você estudou, e a data em que você a alcançou. E, se você tem um PhD, dê o título completo do PhD e o(s) nome(s) de seus orientadores.
Nada impede um candidato de fornecer informações mais específicas na seção de educação, incluindo suas principais conquistas acadêmicas, honras ou prêmios que você tenha recebido nas instituições de ensino.
Também é válido incluir os seus cursos extracurriculares e certificações de desenvolvimento profissional (ou até mesmo criar uma seção separada com essas informações, caso você queira destacá-las)

Mas atenção: evite incluir informações extra sem relevância para o trabalho para o qual está se candidatando. Além disso, ao incluir algum curso que esteja em andamento, deixe claro que você ainda não o concluiu.

O modelo a seguir pode ajudar você a estruturar a seção de educação do seu currículo profissional. Inspire-se e faça as alterações necessárias para adequar às suas próprias circunstâncias e personalizar de acordo com a vaga pretendida:

SEÇÃO DE EDUCAÇÃO

Nome da faculdade
Ano da Graduação
Nome do Curso

Prêmios e honras
Inclua quaisquer conquistas acadêmicas aqui.

Certificações
Aqui vão suas certificações educacionais ou profissionais (quando relevante).

Desenvolvimento profissional
Você pode criar este espaço para dar destaque aos estudos ligados ao seu desenvolvimento profissional: cursos (online e presenciais), seminários etc.

Conselhos para escrever sua educação em seu currículo

Uma boa dica para que você tenha total segurança na hora de preparar seu CV é fazer uma organização prévia do conteúdo. Anote tudo e depois pense no currículo pronto para selecionar o que incluir e como.

Afinal, não há necessidade de entrar em detalhes sobre tudo o que você já fez. E nem espaço para isso no currículo. Mais do que transmitir as informações sobre seus estudos e experiências em poucas palavras, você deve priorizar o que é mais relevante para cada candidatura.

Por exemplo, se você tem um bom diploma ou pós-graduação e o trabalho para o qual você está se candidatando é de nível sênior, não há necessidade de incluir detalhes de cursos de nível básico.

Da mesma forma, o ensino primário não precisa constar no currículo de quem está cursando o ensino médio.

Se você fez um curso profissionalizante, pode incluí-lo na seção de educação fornecendo o nome da instituição onde fez o treinamento, a localização e o tipo de trabalho para o qual você foi treinado.

No entanto, aplique o conceito de “menos é mais”, pois nem todos os treinamentos adicionais precisam ser listados — apenas os que forem associados ao trabalho em questão.

O mais comum é estabelecer seu histórico educacional listando primeiro o grau mais recente ou avançado, depois seguir em ordem cronológica inversa.

Mas há exceções.

Digamos que você tenha se formado recentemente em biologia, mas agora está trabalhando em uma área totalmente diferente, como publicidade e propaganda. Se você busca oportunidades nesse novo ramo profissional e está fazendo um curso de marketing, coloque-o primeiro para atrair a atenção de quem for avaliar o seu CV.

Mas, depois de ter dois ou três anos de experiência no mercado de trabalho, os estudos podem ter um peso menor em seu perfil profissional.

Então, foque no essencial e apenas inclua cursos extras se realmente fizerem diferença. E se você possui algum papel de liderança em associações estudantis, só mencione se isso não puder ser relacionado a temas controversos.

Caso tenha estudado em uma faculdade ou outra instituição de ensino, mas não tenha se formado, inclua o período que você frequentou e qual foi o curso escolhido. Não precisa mencionar o motivo de ter interrompido tais estudos, mas tenha em mente que isso poderá ser questionado na entrevista.

Da mesma maneira, se você frequentou o ensino médio, mas não se formou, basta mencionar os anos em que participou.

Mas também há a possibilidade de descrever quaisquer projetos de curso que estejam relacionados a uma vaga em específico. Essa pode ser uma boa abordagem para candidatos que não possuem muita (ou nenhuma) experiência de trabalho relacionada à vaga almejada.

Por exemplo, uma pessoa que está em busca de um emprego com foco em tecnologia da informação, ela pode descrever um curso de programação que envolveu a criação de um banco de dados complexo e ainda mencionar se recebeu algum reconhecimento ou nota excepcional no projeto.

Muitas pessoas têm algo do passado que gostariam de disfarçar no currículo. Se o seu calcanhar de Aquiles é a seção de educação, não faça como os que mentem no CV.

Crie uma estratégia!

Se você acha que sua seção de educação é um pouco leve, carregue esta parte educacional com outros cursos profissionais que julgar relevante.
Se você não foi para a faculdade ou fez apenas alguns cursos que nada têm a ver com a vaga em questão, não inclua isso no CV. Você pode deixar a faculdade totalmente fora do seu currículo, o que se torna uma opção melhor à medida que você ganha experiência de trabalho relevante e válida.
Há muitas coisas que você pode incluir em seu currículo além da faculdade para destacar e provar suas qualificações educacionais: cursos relevantes, prêmios, certificações, projetos voluntários e até mesmo clubes e hobbies podem ser incluídos adequadamente em outras seções do CV.

Outra dica muito importante é que você se prepare para falar sobre seus estudos em uma entrevista.

Pense nas melhores respostas para quando perguntarem sobre alguma matéria ou quiserem saber por que você não concluiu algum curso. A ideia é falar com honestidade e respeito, sem tecer comentários negativos.

Lembre-se que as duas seções mais importantes do seu currículo profissional são a sua Formação Acadêmica e Experiência de Trabalho. Então, não deixe de adaptá-las para cada vaga a que for se candidatar.

Aproveite nossas dicas informações para elaborar a seção educacional da forma correta e valorizar todo o seu potencial em um currículo bem elaborado — impulsionando suas chances de convocação para entrevistas.